fbpx
Scroll to top

Dicas para obter uma melhor gestão de riscos em cibersegurança


Josué Adil - - 0 comments

Você conhece os principais riscos em cibersegurança e como obter uma melhor gestão sobre eles?

Ao pensar sobre gerenciamento de risco em cibersegurança, pense na última vez em que você comparou apólices de seguro saúde. 

Cada apólice oferece um meio de proteger você e sua família de perdas financeiras. Por exemplo, de cobertura hospitalar, e muitas políticas incluem coisas que são projetadas para reduzir a probabilidade dessas perdas ocorrerem em primeiro lugar, por exemplo, benefícios de fitness, cuidados de saúde preventivos, etc.

Embora a compra dessas apólices não garanta que o segurado ficará imune a ter um dia ruim, ela oferece segurança e caminhos a seguir, caso ocorra um evento negativo. 

O gerenciamento de riscos de cibersegurança é um conceito semelhante.

No cenário atual de negócios, existem várias políticas básicas para evitar riscos em cibersegurança. Quer as empresas estejam apenas começando a implementar ou seja vejam como especialistas, existem algumas dicas que as organizações devem garantir que estão seguindo para tornar suas defesas cibernéticas o mais robustas possíveis.

Então vamos começar!

1. Faça uso de estruturas de cibersegurança.

Estruturas de cibersegurança, como a ISO 27001, a estrutura internacional que define as melhores práticas para um sistema de gerenciamento de segurança da informação (ISMS). Portanto, essas podem ajudar as organizações a enfrentar os riscos comerciais e aprimorar a defesa cibernética geral.

Além da ISO 27001, há várias outras estruturas a serem consideradas, incluindo a Estrutura do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia de Cibersegurança (NIST CSF). Que oferece suporte aprofundado para ajudar as empresas a identificar as ações necessárias para abordar e diminuir o risco. 

O Centro de Controles Críticos de Segurança da Internet (CIS) também publica os Controles Críticos de Segurança CIS (CSC). Portanto é composto de 20 controles de segurança críticos divididos em recomendações e práticas recomendadas. Para ajudar as organizações a diminuir riscos em cibersegurança e a probabilidade de um ataque cibernético bem sucedido.

2. Estabeleça um Livro de Regras.

Implementar um processo de avaliação de risco significa definir claramente como a empresa irá se preparar, conduzir e transmitir as principais descobertas de uma avaliação de risco, bem como como o processo será mantido ao longo do tempo.

Sobretudo, os sistemas e redes de TI de uma organização mudam constantemente à medida que os aplicativos de software são atualizados e os usuários são integrados e não integrados. 

Tudo isso é um terreno fértil para o surgimento de novas vulnerabilidades, e não faltam mudanças nesses sistemas, bem como riscos emergentes e novos para se manter no controle.

Então ao se preparar para uma avaliação de riscos em cibersegurança, as organizações devem seguir esta lista de verificação:

  • Além disso, delinear estrategicamente o escopo da avaliação, incluindo quaisquer suposições iniciais significativas ou restrições esperadas.
  • Identifique as fontes de informação específicas que serão utilizadas.
  • Descrever os cálculos de risco e a metodologia de análise que está sendo usada.
  • Certificar de incluir todos os regulamentos de conformidade que afetam a organização. Cada regulamento tem seu próprio conjunto de requisitos para avaliação de riscos e relatórios.

3. Alavancar Inteligência de Ameaças.

A inteligência de ameaças fornece dados oportunos sobre as principais ameaças que atualmente têm maior probabilidade de impactar os negócios. Bem como, a inteligência de ameaças pode capacitar as equipes de segurança a fazer modificações cruciais na estrutura de avaliação de risco existente, para evitar que ameaças recém desenvolvidas se instalem.

Todavia, os dados de inteligência de ameaças são coletados, avaliados e investigados para capacitar as equipes de cibersegurança com informações que podem ajudar a tomar decisões mais rápidas sobre ameaças. 

Nesse sentido, todo o processo é baseado em dados, como informações sobre grupos de ameaças e as táticas, técnicas e procedimentos de ataque mais recentes (TTPs), os vetores de ataque usados ​​e indicadores conhecidos de comprometimento (IoCs).

4. Pentest para detectar vulnerabilidade.

Seja como for, ao se protegerem de cibercriminosos, as organizações precisam se cercar de pessoas que pensam como um hacker e podem prever e defender alvos potenciais dentro da empresa. 

Então para uma melhor gestão de riscos em cibersegurança é melhor implementar o pentest.

Algumas empresas optam por fazer isso com scanners de vulnerabilidade. No entanto, essa prática automatizada tende a perder vulnerabilidades recém descobertas e pode ser difícil se os bugs forem muito complexos. Além disso, falsos positivos são uma ocorrência frequente, principalmente quando se trata de uma grande infraestrutura.

A engenhosidade humana é crucial ao buscar vulnerabilidades. Portanto, a razão pela qual as empresas estão cada vez mais se voltando para os pentest. Contudo, este método permite que as organizações tragam pesquisadores de segurança para hackear seus sistemas e redes para obter visibilidade sobre uma variedade de vulnerabilidades. Portanto, realizar testes de invasão regularmente é um componente crucial do gerenciamento de riscos cibernéticos de uma organização.

5. Racionalização da ferramenta.

Ainda mais, um grande benefício do gerenciamento de risco cibernético é a capacidade das organizações de identificar lacunas no desempenho e cobertura, ou mesmo camadas redundantes nos controles de segurança, à medida que buscam implementar totalmente o processo de gerenciamento de risco cibernético. 

As equipes de segurança e TI devem aproveitar a oportunidade para realizar a racionalização de ferramentas a fim de expandir as habilidades operacionais de cibersegurança com o menor custo possível.

As empresas devem considerar a definição de uma postura de segurança de destino e, em seguida, avaliar sistematicamente sua infraestrutura de segurança atual em comparação com o objetivo. 

Bem como, cada valor alocado para controles de segurança deve fornecer a defesa que a organização necessita para diminuir os riscos em cibersegurança.

6. Utilize a tecnologia de varredura centralizada e contínua para identificar riscos.

Para remediar efetivamente os riscos em cibersegurança, você precisa primeiro identificar cada um. As ferramentas de monitoramento de segurança de rede podem ajudar nessa tarefa, mas à medida que seu ambiente digital se expande para a nuvem, entre geografias e locais remotos.

O número de ferramentas de monitoramento que sua organização usa provavelmente disparou. De fato, estudos sugerem que a equipe média de TI e segurança usa entre 10 e 30 ferramentas de monitoramento. No entanto, essas ferramentas isoladas podem criar mais exposição. Enfim, as suas equipes de segurança estão enterradas em um mar de alertas e podem perder alguma coisa.

Assim também, uma maneira melhor de verificar o risco cibernético de sua infraestrutura de TI é aproveitar a tecnologia de monitoramento contínuo que descobre automaticamente onde o risco está oculto em sua superfície de ataque crescente.

Da mesma forma, para ajudar em seu plano de correção de riscos, você também pode visualizar onde o risco cibernético está concentrado e priorizar esses ativos para investigação adicional.

7. Defina limites de risco aceitáveis

Não é realista que as equipes de segurança respondam a todos os alertas de segurança da mesma maneira. As acomodações devem ser feitas, e tudo bem. Portanto, uma boa segurança cibernética requer uma mudança de uma estratégia de defesa reativa para uma abordagem altamente focada e proativa para mitigar os riscos em cibersegurança.

8. Impulsione a melhoria contínua.

Use os insights de dados que o BitSight fornece para aprender com suas atividades de correção e identificar tendências e padrões. Por exemplo, se você receber alertas sobre vulnerabilidades como sistemas sem patches regularmente, talvez seja necessário revisar suas políticas e cadência de patches.

Conclusão 

Um tema comum entre cada uma dessas dicas de planejamento é a correção de riscos em cibersegurança. Portanto, o gerenciamento de riscos em cibersegurança não é algo que cabe às equipes de TI ou de cibersegurança, é um imperativo que toda a organização deve possuir.

A cibersegurança é um mercado em grande expansão e nós temos cursos com certificação internacional que te abrirá muitas portas nessa área.

Transforme sua carreira e venha para esse mercado altamente lucrativo da cibersegurança que é um verdadeiro oceano azul. 

Temos formações em todos os níveis, desde você que queira iniciar na área da cibersegurança, quanto para quem quer se especializar ainda mais.

E se você quiser fazer parte da elite do mercado de cibersegurança, junte-se a nós e venha ser um Acadiano.

Para se aprimorar ainda mais você também pode fazer parte da nossa formação Prime, um verdadeiro netflix de cibersegurança.

Me diga aí nos comentários o que você achou dessas dicas para obter uma melhor gestão de riscos de cibersegurança? Quais você costuma usar?

Para continuar sempre bem informado sobre os principais assuntos de cibersegurança, siga nosso blog e acompanhe todas as notícias.



Related posts

Open chat
Fale conosco
Olá
Como podemos te ajudar?